“Até as Moscas Fazem Amor” – Claudio Maksoud – 1997

Link para o disco

Comprei este cd em uma baciada, 10 cds por R$1,50 cada, e ocasionalmente encontro alguns discos ótimos. É o caso deste “Até as Moscas Fazem Amor” do desconhecido Cláudio Maksoud, gravado em 1997.

O imperdível do cd são as faixas com letras humorísticas, com instrumental e melodia pop muito bons; a parte mais séria é mais fraca, um soul meio aguado.

A primeira faixa, que dá título ao disco, “Até as moscas fazem amor” é um xaveco torto dizendo que “só você não faz amor”, e aí faz uma lista doida de todos que fazem amor: moscas, pernilongos, dinossauros, petistas, capitalistas, suínos, rabinos, bichas, trichas, mato-grossenses, paranaenses, e por aí vai.

“Cheiro de Mar” é mais séria, e não tem nada de mais.

Em “Garota de Programa” ele homenageia as mulheres de vida fácil, citando até sexo com frutas (“eu nem posso ver melão que eu fico logo com tesão”), da dificuldade de apresentar a moça para a família em caso dele se apaixonar, e faz uma possível referência à música “Selim” dos Raimundos, só que indo além, ele diz “minha calça vai rasgar, o meu zíper arrebenta, meu mastro pula fora, a boate toda olha”; e ele ainda perde seu relógio ao entalar a mão naquela bolsa gigante; e a música termina com uma recitação, dizendo que adora estas mulheres porque elas já são abertas e fazem o Brasil um país mais ereto.

“Vamos a Lá Sauna” cita tanto aquela música dos anos 80, “Vamos a La Playa”, como também Blitz: “quer um chopinho? Não? Então, você quer uma batata frita? Não, você tá de dieta? Então vamos a la sauna”. O refrão é doido, porque ele cisma que sauna é praia de paulista… Mas é tão difícil alguém de São Paulo falar que vai na sauna. Seguindo a cartilha da Blitz, tem outras partes impagáveis, como “O meu nome, você quer saber? É Dong, Long Dong. Você me conhece? Você não me conhece não” (com uma risada e uma entonação bem picareta), e o cúmulo do xaveco furado: “Me fala o seguinte, você é daonde? De Ituverava… Eu sou de Ituverava também. Se eu sei como é lá? Tem uma praça e tal”, picareta pra caramba. O legal é que é uma música pop muito boa, muito bem feita, que poderia ser hit.

Depois vem a versão em português de “Venus” do Shocking Blue, que tem versos impagáveis como “Eu vi um disco voador / no meu liquidificador / rodava no meu suco de acerola / e apareceu um ser de camisola”, “queria usar a camisinha / de Vênus / ela era de Vênus”.

É interessante que as melhores músicas são as que o próprio Cláudio Maksoud compôs, as que ele não compôs, como “Cheiro de Mar”, de Valdir Carvalho, “Lua e Estrela”, de Vinícius Cantuária (com participação de Maurício Manieri (!!!) nos backing vocals e no piano), “Vontade de Voar”, também de Valdir Carvalho; são as mais fracas do disco, talvez uma tentativa de fazer um som mais comercial, voltado para tocar nas rádios, ganhar um dinheiro, mas a qualidade fica bem aquém das músicas com humor.

“Em nome do Senhor” é uma crítica às igrejas que só pensam em dinheiro, e surpreendentemente é uma das melhores músicas, com guitarras e violão muito bons, e ainda tem um coral gospel; mas a letra não vai muito além do lugar comum das músicas que criticam as igrejas.

“Meu Celular” tem um riff de guitarra que me lembrou um pouco Ultraje a Rigor, mas não é tão criativa, fala da namorada que não para de encher o saco ligando pro celular.

“Gostoso é Ir Pra Cama” é uma das melhores e mais surreais do disco, ele conta como é o seu domingo, lê a Veja e a Isto É, folheia os livros que comprou, estuda as tarefas da empresa, vai pra igreja, vai pra casa dos pais almoçar coca-cola com esfiha e kibe cru, ou macarrão com guaraná, e depois vai passear.

“Meu Amor” é outra música romântica sem nada demais, mas essa é composta pelo próprio Maksoud.

“Essa Vida é uma Piada”, apesar do nome, é a mais séria do disco, até meio depressiva, e mostra a atitude do Cláudio Maksoud com o absurdo da vida, que só dando risada mesmo; dizendo que enquanto o homem vai pra lua, o menino morrendo na rua, e também trechos pesados como “sua saúde é muito boa / ele está realizado / ele atravessa a rua / ele morre atropelado”. Procurando comunidades do Claudio Maksoud no orkut, em uma comunidade diz que ele também é escritor, tomando como base esta música parece que o livro pode ser interessante. (Sobre música que fala de desgraça aguarde em um próximo post, “Tango do Azarado” do Mister Sam. Não conhece? Foi ele que produziu a Gretchen… Aaaahhhh!!)

Até as Moscas Fazem Amor – ****

Cheiro de Mar – **

Garota de Programa – ****

Vamos a La Sauna – *****

Vênus – ****

Lua e Estrela – *

Vontade de Voar – *

Em Nome do Senhor – ***

Meu Celular – **

Gostoso é ir pra Cama – ****

Meu Amor – **

Essa vida é uma Piada – ***

One thought on ““Até as Moscas Fazem Amor” – Claudio Maksoud – 1997

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s